domingo, 6 de agosto de 2017

Em conclusão

Estive a ler uma entrevista à escritora Maria Teresa Horta, curiosa por tê-la visto citada no blogue 'Um Jeito Manso'. Com este trecho:

Em “Poesis” escreve: “Eu sou a minha poesia.”
Sim, eu sou a minha poesia, sou exatamente a minha poesia. Não faço o género da escritora que diz: “Ah, eu escrevo, mas é um sofrimento...” Não, é uma alegria.

... Concluí e retive, principalmente, isto:

sofro quando escrevo e alegro-me, também, a escrever


|não tem, portanto, nada a ver com eu|
|e era eu acrescentar horrivelmente ao sofro e tristemente ao alegro-me e eu atingiria um píncaro montes de idiota, eu|

Sem comentários: