quinta-feira, 1 de junho de 2017

Culinária

Às vezes compro revistas de culinária, dá-me curiosidade folheá-las, folheio-as e, ao vislumbrar algum ingrediente invulgar ou a anormal junção de uns a outros e outros a uns, eis que pumba, compro.
Há anos que me desapaixonei por revistas de culinária, optando por comprá-las somente em situações como as que descrevi acima, o que ocorre de longe a longe. É que eu sei cozinhar - nenhum assado dispensa temperos, nenhum guisado dispensa refogado, nenhum grelhado dispensa sal, nenhum arroz dispensa água – mas, lá está, então e as ideias para inovar, como é? Acaso não passo eu a vida preparando as comidinhas de sempre, do modo de sempre, a comprar sempresempresempre os mesmos ingredientes? Passo, a não ser que copie as ideias inovadoras que vêm na imprensa, nos livros e na TV. E é por isso mesmo que – mesmo sabendo cozinhar - vou atrás das revistas de culinária, é de longe a longe, mas vou.

Sem comentários: