quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Depois do adeus vamos ser então muito felizes

Já chega de 'A rosa' isto e aquilo. Quem matou a rosa fui eu. Quem ontem matou as folhas que faziam de marcador no livro que ando a ler, fui eu. Eram três e não era preciso serem tantas, à Terra o que lhe pertence. As minhas histórias não são eternas, noto até que por vezes as estendo demais, daí cansar-me deste ou daquele tema e ansiar novidades e surpresas, mesmo sabendo que neste caso conseguiria arranjar mais algumas dezenas de perspetivas e de títulos para 'A rosa', já não arranjo mais.


Sem comentários: