segunda-feira, 20 de março de 2017

Gina, a mulher que ainda escreve

Moleza e apatia são as razões que me têm mantido afastada da grafomania que me caracteriza(va).
eh pá, ó Gina, então mas estás mole e apática porquê?, porque estava muito triste
eh pá, ó Gina, então estavas tão triste porquê?, porque não estava mole nem apática
eh pá, ó Gina, e ficaste mole e apática... e alegre?, não, mas estou triste só um bocadinho porque estou mole e apática

Ontem à noite vi no Youtube parte de uma entrevista à escritora Clarice Lispector, lamento não tê-la visto integralmente mas não deu, digamos que me pus a ver demasiado tarde. Contudo, retive três questões com as quais me identifico e não é pouco.
  1. Clarice Lispector sentia-se morta quando não escrevia
  2. Clarice Lispector nunca chegou a entender um dos seus contos 'O Ovo e a Galinha'
  3. Clarice Lispector foi chamada por alguns de 'a escritora hermética'

dicionário:
celeuma → prurido social

A mãe mais youtuber do mundo, rematei, numa mensagem enviada à rica filha. E aquilo era eu a fazer grande uma partícula de mim.

A primavera chegou hoje e a árvore amarela não tem folhinhas nenhumas.

Hoje trouxe o livro e li-o. Hoje escrevi nas folhinhazinhas. Vim até com um risco enorme na testa. Quem me avisou disso foi o meu colega.

Sem comentários: