quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Planos comelícios, o efetivamente

Olá, cá estou eu!
Bem vindos a mais um post!
E a mais um blogue!
Nos planos comelícios estava a verdade, lá isso é verdade, verdade essa que vou verdadeiramente efetivar com palavras e imagens para tornar verdadeira.

Houve Pães Doces
Calhou-me tão bem. A última vez que fiz, creio até que registei no blogue, calhou-me tão mal, que não tinha papel vegetal e este é um pão-bolo que não dispensa o papel vegetal forrando a forma porque o açúcar que o recheia carameliza com o calor. Mas estava mesmo bom, tirando esta vez, só se a primeira em que o fiz estivesse melhor. Acontece-me frequentemente a vez primeira calhar mesmo bem, o que me leva a colocar a receita no meu dossiê especial, e portanto querer repeti-la, e em vezes seguintes já não ser tão bom, talvez porque elevei as expetativas ao mais alto grau. Mas fica assim: estes pães-doces estavam mesmomesmomesmo bons.






Houve Queijos de Figo
Não é queijo, mas é figo, não sei porque se chama queijos, devia mas era ser Bolas de Figo, mas adiante. Começa-se com uma calda, é necessário uma picadora por modo a picar os figos e as amêndoas, é ligar tudo com a calda e moldar as bolas com as mãos molhadas. Um dia ponho aqui a receita, creio que não demorará muito, é que vale a pena aumentar o número de receitas no meu dossiê especial. Olhem: pensando bem, ponho mas é já hoje. Está logo a seguir à foto, mas antes digo já que a copiei do programa televisivo 'Prato do Dia', que passa no canal 24 Kitchen e é apresentado pela Filipa Gomes.




Ingredientes para a calda:
2 colheres de sopa de chocolate em pó
1 colher de sopa de erva-doce em pó
1 colher de sobremesa de canela em pó
2/3 cup de açúcar
1 cálice de aguardente
Ingredientes:
250+50 gramas de amêndoas ao natural
500 gramas de figos secos
Confeção:
Prepara-se a calda levando todos os ingredientes ao lume. Deixar ferver durante uns dez minutos, ou até se notar reduzida e consistente.
Pica-se as amêndoas e os figos separadamente. Aquando de picar as amêndoas reserva-se 50 gramas.
Quando a calda arrefecer um pouco deita-se por cima das amêndoas e dos figos, mistura-se tudo e, com as mãos molhadas, moldam-se bolinhas, que se envolvem na amêndoa que se reservou.






Houve Pudim de Marmelo
Tinha no congelador uma compota de marmelo. Sim, compota, não marmelada, é que quando a fiz, fi-la com pouco açúcar, portanto a dita não atingiu a solidez duma marmelada. Achei boa ideia colocar na mesa um pudim semelhante ao de ovos, mas com a compota, uma espécie da minha receita de Pudim de Outono, vá, mas ao invés de ser com peras, pois que era com marmelos. Digo espécie porque coloquei muito menos ovos do que a receita original. Contudo não saiu bem, contudo partiu-se ao desenformar, contudo não me preocupei com isso, contudo quero lá eu saber, contudo ninguém me ralha, contudo ninguém deixa de comer um pudim rachado, contudo fotografei somente a parte bonita. Pois.






Houve Broas de Batata-Doce
Hum, nhé, não curti a cena. Retirei a receita dum prospeto da Sidu que recolhi no corredor do supermercado que mantém tudo quanto é gorduroso – manteigas, margarinas, natas, iogurtes, sobremesas mascaradas de iogurtes. Esta receita não me agradou. Em casa houve pessoas que curtiram a cena, mas eu não, achei que lhe faltava tempero, algo como canela, erva-doce, coco, raspas dum qualquer citrino, não sei bem, mas falta coisas àquela receita. Não repetirei, muito menos acrescentarei folha alguma ao meu dossiê especial à conta da dita. Mas há foto.






Houve Arroz-Doce
Então, ora essa, o rico filho adora, ademais o arroz-doce é do Natal. Fi-lo como faço sempre.





Houve Cheesecake
Então, ora essa, a rica filha adora, ainda que o cheesecake não seja do Natal. A foto contém apenas a compota que fiz, usando as tais framboesas que tenho no congelador, e também uns quantos morangos congelados e também açúcar e também canela e também casca de limão. É meu costume apresentar na mesa a compota e o cake separadamente, isto ocorre por conta de os ricos filhos não serem apreciadores de compotas, então deixo ao critério dos comensais, quem quer põe por cima da sua fatia, quem não quer obviamente não põe. Devido a esta questão, nas últimas vezes que tenho feito cheesecake, adiciono à parte alva da iguaria um pouco de canela em pó e de raspas de limão. Fica tão melhor.





Não houve bombons ou trufas
Na azáfama das compras de Natal, fiz mal as contas e acabei por comprar bombons a mais, os quais coloquei então na mesa e de certo modo me fez dispensar de preparar os meus. Isto assim soa a desculpa.
«Eh pá, ó Gina, ora essa, não querias era fazê-los.»
Bom, os bombons, na verdade, eu não queria fazê-los porque conclui recentemente que dificilmente os conseguirei fazer, mas ia fazer trufas, tão mais fáceis de se lhe chegar à consistência desejada. Mas não, e pronto.






Depois houve coisas como Bacalhau com Batata-Doce e Feijoada à Luís, das quais não tenho foto porque era noite e não iam ficar bem o suficiente. Mas estava tudo muito bom, e isto disse quem comeu. Eu.

Sem comentários: