quinta-feira, 6 de julho de 2017

Árvore amarela

Daqui a nada vou vê-la. Não é bembembem saudades, é que ontem, por conta de afazeres, não pude vê-la e ocorre que me havia lembrado que era para lá de uma maravilha eu vê-la sob um céu embrulhado em nuvens, como ontem e assim está hoje, igual.

Já lá fui. Olhem: afinal desapareceram algumas nuvens e o sol apareceu, se eu queria, e quero, ver escuridão nas folhas verde-escuro, não vi, vendo o costume de um vulgar dia de verão.

Sem comentários: