quinta-feira, 28 de julho de 2016

Árvore amarela

No post anterior duas frases, neste a árvore amarela, e este é mais um assuntozinho mal explicado lá em baixo.
É da árvore amarela, este post, o que não significa que já lá tenha estado hoje. Não. É que no último post a que dediquei atenção à dita divaguei tanto, dei umas asas tão voadoras ao assunto que acabei por não pousar tempo suficiente para expor o que realmente me tinha levado ao post e ao assunto e mais não sei o quê.
Então vá.
Há obras ao redor da árvore amarela, facto que não estou certa de já ter comentado no blogue, o que fez com que retirassem o banco que está por baixo dela e se... ah, já comentei, já, tirei fotos e tudo, pois foi. Bom, vinha dizer do recorte na relva, pormenor que a foto já mostra, e vinha dizer também (isto estou a sentir como novidade e se não for paciência e acabou a conversa) que o banco está mais abaixo, encostado a um outro que noutro canto está. Que frase tão bonita: encostado a um outro que noutro canto está. Esses dois bancos fazem assim tipo uma carta de baralho, um rei de copas, vá, tem uma cabeça para baixo e outra para cima, não é. É. Se virarmos a carta fica outra vez uma cabeça para baixo e outra para cima, não é. É. Só por dizer que a cabeça que antes estava para cima é agora a que está para baixo e a cabeça que antes estava para baixo é agora a que está para cima, não é. É. E depois quero eu que venham ler o blogue e ando armada em pessoa especial, esperando a companhia de pessoas especiais, mas quem é que vai ler isto, oh céus. Bom, os bancos estão assim: um no estado e lugar normais, preso ao chão de terra com grilhões, tipo isso ou coisa assim, ou cravos, se calhar é mais isso, que cruz pesada, cravos rima com calvário, e o outro, o que descravaram da terra, puseram-lhe o encosto encostado ao assento do que ainda dali não abalou.

Sem comentários: