quinta-feira, 21 de julho de 2016

Leitura

Levei o livro do momento (Estranha Ternura, Miriam Toews) mas não avancei a leitura, au eva: li. Não foi debalde que acrescentei quatrocentos gramas de papel ao meu carrego habitual, onde constam sensivelmente dois mil e quatrocentos gramas. Pois. Não foi debalde, não. É que me lembrei de aquando das férias li o trecho que passo a transcrever:

«Travis explicou-me que Kafka ou alguém assim tinha afirmado que a loucura pode ser definida como a tentativa de uma pessoa em reconciliar a necessidade premente de escrever com a premente convicção de que o silêncio é a resposta mais apropriada.» pág 193

(Ressalvo a ausência de vírgulas no trecho.)
… Senti uma vibração em mim porque é a compactação de muitos dos meus medos e prazeres. Portanto não foi debalde que carreguei o carrego. Bom, o que estou a notar neste preciso momento é que só neste post já me repeti um montão de vezes, daí se percebe um montão (hum-hum, é outra repetição consciente, é) de coisas, tudo bem, nem vou enumerá-las exatamente para não voltar a repetir-me, vou só dizer que não escrevo a contragosto, antes com prazer, sempre, já o ler... ui.

Sem comentários: