segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Um rumo

Não tarda rumarei direita ao Sul de França. Direita, não, ziguezagueando, isso sim, e a bem dizer tarda ainda um pouco. Por ora há que traçar o percurso, com a ressalva 'desvios constantes' em todas as vontades de desviar. Nenhum de nós é focado seja lá no que for, o melhor é a aventura de não saber, a surpresa, em suma: a viagem, bastando-nos o destino como a coisa certa e esperada. Dizem até que o melhor é a viagem, não o destino, se comparada à vida, e é.

2 comentários:

Lady Kina disse...

A mim também sempre fascinou muito mais a viagem pela viagem do que o destino, aquela indescritível sensação de, a caminho, não estar nem ser senão o movimento, energia.

Gina G disse...

E sem destino, o bom que é. Quando os miúdos eram pequenos e não havia sequer escolas nas nossas vidas, chegámos a partir duas ou três vezes sem destino. ;)